24/06/2010

Lena Meyer-Landrut a nova namoradinha da Europa


A Europa festeja a cantora alemã Lena Meyer-Landrut que venceu o Eurovision, o maior festival da canção do continente

Ela não se veste como Lady Gaga, não bebe como Amy Winehouse, não tem os decotes nem as curvas de Beyoncé, não dança como Madonna, não é bizarra como Susan Boyle. Mas nos últimos dias todas essas cantoras têm parecido pequenas diante da adolescente alemã Lena Meyer-Landrut. Aos 19 anos, completados no final de maio, Lena é a sensação musical da primavera no Hemisfério Norte. Com seu estilo original – roupas simples, maquiagem discreta, voz sem berros, mas intensa na hora certa, passos graciosos e um ar de menina doce e simples –, Lena conquistou para a Alemanha o Eurovision, o maior festival de música da Europa. “Satellite”, a canção que ela interpretou em Oslo, a capital da Noruega, sede neste ano do Eurovision, se tornou uma espécie de hino jovem europeu. “Satellite” é aquele tipo de música que você ouve e depois, sem se dar conta, está cantando.









A vitória foi festejada como uma Copa do Mundo pelos alemães. Lena foi recebida em sua cidade natal, Hannover, onde está terminando o equivalente ao ensino médio, como uma heroína. Quarenta mil pessoas enfrentaram uma chuva para vê-la chegar ao aeroporto. Com seu sorriso fácil, uma de suas marcas, ela tratou de recomendar à multidão que se protegesse da chuva. A chanceler Angela Merkel disse que ela é um exemplo e uma inspiração para os jovens alemães. “Lena, amamos você!”, exclamou o jornal sensacionalista Bild. Até a vitória, o Bild ignorou Lena porque ela se recusara a conceder entrevista a seus jornalistas.


A Alemanha foi recompensada pelas inovações. Pela primeira vez em mais de meio século de competição os alemães inscreveram uma música em inglês. Outro passo fora da caixa é o fato de que “Satellite” não foi obra de um compositor local: foi comprada num estúdio americano especializado em fazer hits, o Redzone, de Atlanta. “Umbrella”, de Rihanna, foi criada pelo Redzone. “Satellite” não foi sequer composta especialmente para o Eurovision. Foi escrita há três anos por uma dupla de compositores e estava na prateleira do estúdio à espera de uma oferta.

Fonte Revista Época