04/09/2014

Os Batutinhas 20 anos depois

Para celebrar o aniversário de 20 anos de lançamento do filme Os Batutinhas, a produtora 22 Vision convocou o elenco original do longa para uma sessão de fotos especial.

Batutinhas encontro cartaz hoje


Darla, Alfalfa e companhia agora já estão com na casa dos 30 anos de idade (ou quase lá), mas reprisam as expressões que conquistaram os fãs na comédia infantil lançada em 1994. A única ausência é a do buldogue Petey, que, infelizmente já deve estar latindo no "céu dos cachorros". Os Batutinhas contava ainda com Daryl Hannah, Whoopi Goldberg, Mel Brooks e Lea Thompson no elenco de adultos, além de uma participação das gêmeas Ashley e Mary-Kate Olsen.

Batutinhas recriam cartaz do filme

Na trama, a rivalidade infantil entre meninos e meninas é colocada em risco quando Darla (Brittany Ashton Holmes) e Alfalfa (Bug Hall) se apaixonam. O filme é baseado nos curtas-metragens da série Our Gang, produzidos entre as décadas de 1920 e 1940.

Veja mais fotos do reencontro dos Batutinhas no site Adoro Cinema

01/09/2014

Conheça a mulher do Google Tradutor

Regina Bittar é responsável pelo áudio da ferramenta em português.
Locutora de comerciais de TV, ela diz estranhar ouvir sua voz no site.


A mulher que dá voz ao Google Tradutor no Brasil tem 49 anos, é casada, mãe de dois filhos e moradora de São Paulo. Além de pronunciar as palavras em português, Regina Bittar é responsável, por tabela, pelas piadas e trotes feitos com a voz robótica do Google Translator na internet.


Regina tomou conhecimento sobre as piadas há cerca de quatro meses, por meio de uma amiga também locutora. "Ela me disse: 'Regina, olha o que estão fazendo com a sua voz'. Mas eu não levo para o lado pessoal. Eu acho que quem faz a brincadeira tem muito mais autoria do que eu". Ela acredita que a curiosidade em torno da voz e os trotes serão passageiros. "O brasileiro faz piada de tudo. Amanhã já tem algo novo na internet", diz. Entre os vídeos preferidos de Regina está a da menina que briga com a voz do Google, que a manda ir dormir. "O vídeo com o trote da pizza já teve mais de 1 milhão de acessos, é incrível".


Regina usa frequentemente o Google Tradutor. Além de fazer consultas em inglês, ela também usa o português para saber como se pronuncia as palavras. "Um dia fui gravar um institucional e tinha o termo 'absenteísmo'. Por não saber como se falava, consultei a 'voz do Google' e deu certo".

A curiosidade por saber quem está por trás da voz vem da época do rádio, segundo Regina. "Todo mundo imaginava como eram os locutores". Ela conta que até hoje a profissão chama a atenção das pessoas. "Quando eu falo que trabalho com locução, muita gente me pede: 'Ai, fala alguma coisa'". O trabalho para o Google aumentou a curiosidade. "Fui em um casamento esses dias e a noiva distribuiu câmeras fotográficas para todo mundo. Pedi para os meus amigos fazerem pose e eles disseram: 'Só se você pedir com a voz do Google'".

O Google Tradutor não foi o primeiro trabalho que Regina gravou para uma "máquina". No início dos anos 2000, ela era a apresentadora da assistente virtual lançada pela Gradiente, a "Mediz". A partir de um reconhecimento de voz, os usuários ligavam para o portal e tinham vários locutores de plantão que davam notícias sobre trânsito e tempo. "Essa foi uma experiência forte, era como se a máquina fosse uma pessoa. Teve uma moça que ligou desesperada porque o namorado estava apaixonado pela 'Mediz'. Sempre existiu esse fetiche pela máquina".

Para gravar o Google Tradutor, Regina usou uma voz pausada e linear, ou seja, sem emoção ou musicalidade. "Há diferenças de linguagem para cada veículo. O rádio, por exemplo, é áudio puro, sem imagens, por isso a interpretação é mais acentuada", explica. Segundo Regina, a voz eletrônica não pode ser muito rápida nem coloquial, pois quem está ouvindo não irá prestar atenção. "A voz é a mesma, o que muda é o tom. Na minha opinião, o locutor é como o vinho, vai ficando cada vez melhor. Com o tempo, você aprende a usar o seu 'instrumento'".

Antes de começar sua carreira como locutora, Regina trabalhou na mídia impressa, no jornal "A Tribuna", de Santos, cidade onde nasceu. Logo depois, ela começou a fazer uma revista de moda que circulava pela cidade. Certa vez, o diretor artístico da revista disse a Regina que ela tinha um timbre lindo e deveria ser locutora. "Ele, então, me convidou para fazer uma propaganda. Logo depois, quando a revista acabou, ele me convidou para apresentar uma rádio-revista. As pessoas começaram a gostar da minha voz. O rádio é maravilhoso porque você tem um retorno imediato dos ouvintes. E eu acabei me encantando".

Depois de ir morar no exterior, Regina voltou para São Paulo e decidiu focar sua carreira como locutora. "Antes de começar no rádio, resolvi trabalhar em estúdio e tive a oportunidade de gravar com grandes locutores do Clube da Voz. Meu grande objetivo era ser locutora do grupo, que foi uma grande escola". O Clube da Voz foi fundado em novembro de 1992 e reúne locutores que atuam em publicidade. Hoje, o grupo é formado por radialistas, jornalistas, publicitários, atores e dubladores.

Reportagem G1